Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GOSSIP PROJECT

Reality, Fashion, Music, Food...and "The Unique Me"

GOSSIP PROJECT

Reality, Fashion, Music, Food...and "The Unique Me"

As dez tradições mais originais de fim de ano

Superfunky, 31.12.18

 
De Espanha aos Estados Unidos, passando pelo Japão e por África do Sul quase todos os países do Mundo têm algo que os caracteriza na hora de celebrar o ano novo. Conhece as dez tradições mais curiosas.
 
Em Espanha, a passagem de ano é conhecida como "Nochevieja", ou seja, "noite velha", e o costume é comer-se doze uvas ao acompanhar das doze badaladas. A origem desta tradição remonta a 1909, ano em que houve um grande excedente na produção de uvas. Contudo, segundo os especialistas na matéria, já no século XIX se encontram registos desta tradição na burguesia espanhola da época.
 
 
Nos Estados Unidos da América, a tradição de fim de ano é o conhecido "beijo da meia-noite". Se bem que ninguém sabe ao certo de onde surgiu, sabe-se que este costume deve ter a sua origem ligada aos ritos romanos do festival de "Saturnalia", que se celebrava numa época muito próxima à actual celebração de fim de ano. De acordo com registos históricos, no final deste festival dedicado à divindade de Saturno, todos se beijavam na boca como forma de celebração.
 
Em Itália, os festejos estão ligados ao consumo de lentilhas, que não pode faltar na mesa de cada italiano. Trata-se de uma tradição que já remonta ao período romano e que agora também já vai aparecendo em Espanha. Na antiga Roma, associava-se o prato de lentilhas a um um prato de moedas de ouro.
 
Na Dinamarca, não há celebração de ano novo que não inclua pratos a menos nas cozinhas deste povo do norte de Europa. A tradição é exactamente essa: partir alguns pratos de loiça na entrada do novo ano como forma de atrair a boa sorte. No entanto, existem também outras tradições neste país, como saltar do alto de uma cadeira ao passar da badalada de meia-noite.
 
Nas Filipinas, a tradição de final de ano passa por usar uma peça de roupa às bolinhas, devido à associação entre a forma circular das bolinhas e a forma das moedas. Ainda mais importante deve ser o facto de essa peça de roupa ter um bolso, no qual se guardam algumas moedas de forma a atrair outras durante todo o ano. Também as ruas do país são enfeitadas com telas desse mesmo tecido para atrair a boa sorte económica.
 
Na Escócia, a cidade de Edimburgo tem uma tradição muito especial conhecida pelo nome ancestral de "Hogmanay". Trata-se de um festival de rua animado por danças populares, música tradicional, fogos de artifício e teatro de rua, que ocorre, sobretudo, na principal rua da capital escocesa, a conhecida Royal Mile, e que se assume na forma de um cortejo, conhecido também ele como "Torchlight Procession".
 
Em Inglaterra, a tradição britânica de viver com grande pontualidade não falha. E isso verifica-se também na forma de festejar o o ano novo com a tradição chamada "First Footing", que consiste em ser o primeiro a visitar a casa dos familiares depois das doze badaladas, fazendo-se sempre acompanhar de algum tipo de presente, quer seja ele dinheiro, pão ou carvão como forma de assegurar que a sua família não tenha falta deles durante o ano que se inicia.
 
Na África do Sul, a tradição é muito similar ao Carnaval brasileiro. Chama-se "Tweede Nuwe-Jaar", que significa "segundo ano novo". Nesta festa animada e colorida, os participantes estão agrupados, tal e qual os participantes dos carnavais brasileiros. O sentido da festa é exactamente o mesmo da brasileira: música, animação, disfarces e dança.
 
No Japão, a passagem de ano coincide com uma tradição budista conhecida por "Joya No Kane", na qual soam 108 badaladas de um qualquer templo budista do país. É desta forma que os habitantes desejam o melhor para si e para os seus para o ano que se inicia, tentando desta maneira afugentar todos os 108 pecados da alma humana para o ano inteiro.
 
Para finalizar, existe uma tradição que pode ser considerada internacional, que passa por se usar uma peça de roupa interior de cor vermelha. Não importa o seu formato, tamanho ou padrão. O importante mesmo é a cor aguerrida do vermelho, que, apesar de não ter uma origem histórica confirmada, está associada à paixão e ao amor. A pessoa que a usar está a atrair a boa sorte para o amor durante todo o ano.

O que é o coaching?

Superfunky, 30.12.18
O coaching é um processo que se centra em resolver problemas específicos ou alcançar objectivos concretos de uma forma rápida e quantificável. O ou a profissional (ou coach) é um orientador que conduz o ou a cliente do estado actual para o estado desejado. Esta tem de ser uma parceria baseada na confidencialidade, honestidade e responsabilidade.
 
O objectivo principal passa por superar desafios, potenciar capacidades e melhorar a auto-confiança, num processo estimulante e criativo que inspira e maximiza o potencial profissional ou pessoal de quem requer este serviço.
 
Existem vários tipos de coaching e vou explicar-vos três deles: o coaching pessoal, o coaching familiar e o coaching empresarial.
 
Coaching pessoal
 
Tal como o nome indica, este ramo de coaching tem como objectivo uma transformação a nível pessoal. Esta mudança pode ser tanto a nível de estilo de vida e hábitos alimentares, como a nível de ansiedade, relações amorosas, stress, gestão financeira, rendimento desportivo, entre outras coisas. São muitos os campos em que o coaching pessoal pode actuar, ou seja, os tipos de coaching.
 
 
O essencial é estabelecer metas que se pretendem atingir e alcançá-las ao longo do tempo. O papel do ou da coach é de potenciar as capacidades do cliente, ajudando a encontrar em si todas as respostas e a introduzir melhorias na sua vida.
 
Adquirir e reforçar confiança, superar bloqueios, medos e crenças, melhorar a comunicação e a assertividade, definir objectivos e desenvolver autoconsciência são algumas das finalidades de um processo de coaching pessoal.
 
Coaching familiar
 
Por vezes não é fácil manter uma dinâmica familiar harmoniosa. Há alturas em que é preciso gerir conflitos e que os diferentes indivíduos que constituem a família não estão alinhados, havendo disputas entre irmãos, pais, mães e filhos ou interpretações distorcidas.
 
 
No coaching familiar, o coach e a família definem objectivos e um plano de acção para todos os membros, de forma a potenciar uma série de competências de comunicação positiva, da valorização das características de cada um, do respeito e da cooperação.
 
Neste tipo de sessões, o plano de acção e as ferramentas necessárias para a resolução do problema são descobertas pelos próprios elementos da família. Isto é, o ou a coach dirige a sessão através de perguntas poderosas (ou até dinâmicas mais activas como pequenos jogos ou desafios) em que os indivíduos terão de pensar e reflectir. Ao encontrarem as suas próprias soluções, a implementação das mesmas será facilitada e, provavelmente, mais eficaz.
 
Coaching empresarial
 
Os serviços de coaching não se limitam ao âmbito da vida privada. Uma outra modalidade de coaching está directamente relacionada com o ecossistema laboral. Os meios empresariais e os mercados são exigentes, estão em constante mudança e os vários elementos de uma organização ou empresa acarretam com toda esta pressão.
 
Para além disso, não é fácil gerir relações e uma comunicação eficiente dentro da própria empresa, visto que cada pessoa tem necessidades, características, forças e debilidades muito próprias.
 
 
O coaching empresarial pretende promover o sucesso a todos os níveis da organização. O ou a coach dirige as sessões através de processos que promovam e estabeleçam mudanças nos pensamentos, atitudes e comportamentos, alinhando-os de forma a que este sucesso seja alcançado.
 
Para alcançá-las, o ou a coach normalmente dinamiza as sessões não apenas através de discursos, mas também recorrendo a perguntas e exercícios práticos de brainstorming, mapas mentais e interpretação de imagens. A partir daqui o foco está em encontrar soluções e estabelecer estratégias adaptadas às necessidades de cada um, com o objectivo de melhorar as competências que não possuem tão desenvolvidas e potenciar a melhor versão de cada elemento.
 
Assim sendo, um serviço de coaching pode ser uma excelente orientação para as mais diversas áreas ou tipos de coaching. O objectivo será sempre que se proceda a uma mudança, que se potenciem capacidades e se destruam barreiras, tudo isto através de ferramentas que serão descobertas pelo próprio indivíduo ao longo das sessões. Um ou uma boa coach podem ser a chave para que alcance a melhor versão para ti.

Camarão salteado em ninho de batata-doce

Superfunky, 29.12.18
Uma combinação colorida e saborosa para servir numa festa ou numa ocasião especial. Frita a batata-doce ligeiramente, salteia o camarão e serve com a rúcula sempre fresca.
 
 
 
INGREDIENTES
 
PARA OS NINHOS
2 batata-doce de polpa amarela
1 lt óleo para fritar
PARA O SALTEADO DE CAMARÃO
12 camarão congelado 20/30
1 c. sopa sal
qb pimenta moinho
1,5 dl sumo de lima
3 c. sopa azeite
3 dentes de alho
1 pimento vermelho
1 malagueta verde
1 dl vinho branco
qb coentros frescos
160 g rúcula
 
PREPARAÇÃO
1. Descasca e lava a batata-doce, corta-a em juliana fina e lava-a em água fria.
2. Enxugua-a muito bem, coloca-a dentro de um passador de rede fino e frita em óleo bem quente.
3. Retira e deixa escorrer em papel absorvente. Reserva.
4. Lava o camarão já descongelado, descasca-o (mantendo a cauda) e retira-lhe a tripa.
5. Tempera com o sal, um pouco de pimenta e o sumo de lima.
6. Aquece o azeite numa frigideira, junta o alho picado e o pimento cortado em juliana muito fina.
7. Deixa saltear um pouco e, em seguida, adiciona o camarão e a malagueta, previamente limpa de sementes.
8. Refresca com o vinho branco e deixa reduzir um pouco. Salpica com os coentros picados (reserva alguns) e envolve. Reserva.
9. Coloca a rúcula no centro do prato de servir, dispõe sobre a mesma o ninho de batata-doce e dentro do ninho o camarão salteado.
10. Salpica com os coentros reservados picados e com o molho do camarão.

Bloody Mary

Superfunky, 29.12.18
Um cocktail com ingredientes variados salgados, combinados com grande sucesso. Serve com os talos de aipo, faz toda a diferença.
 
 
INGREDIENTES
1 lt sumo de tomate
4 c. sopa sumo de lima
2 c. sopa molho inglês
1 c. chá alho em pó
1 c. chá tabasco
3 dl vodka
qb pimenta moinho
2 talos de aipo
 
PREPARAÇÃO
1. Num liquidificador, mistura os sumos de tomate, do limão e da lima, o molho inglês, o alho em pó e o tabasco.
2. Distribui por oito copos, adicione a vodka e polvilha com pimenta.
3. Serve com talos de aipo cortados muito finamente.

Bolo de Claras e Laranja

Superfunky, 08.12.18

bolo-de-claras-2.JPG

 

Ingredientes:
170 g de farinha
150 g de açúcar
100 g de farinha amiddo
100 g de manteiga à temperatura ambiente
6 claras
2 colheres (chá) de fermento em pó
Sumo de 2 laranjas
Raspa de 1 limão
Manteiga para untar
Farinha para polvilhar
Açúcar em pó para polvilhar

 

Preparação:
1. Bate a manteiga com o açúcar até obteres um creme. Junta a raspa de limão e bate mais um pouco.
2. De seguida, acrescenta as claras e continua a bater até engrossar.
3. Acrescenta a farinha peneirada, a farinha de amido e o fermento e mexe bem até obteres um preparado homogéneo. De seguida acrescenta o sumo de duas laranjas e envolve.
4. Unta uma forma com manteiga e polvilha-a com um pouco de farinha. Verte nela o preparado anterior e leva ao forno, pré-aquecido a 180ºc, por cerca de 35 minutos. Retira, deixa arrefecer e desenforma. Serve o bolo polvilhado com açúcar em pó.