Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GOSSIP PROJECT

Reality, Fashion, Music, Food...and "The Unique Me"

GOSSIP PROJECT

Reality, Fashion, Music, Food...and "The Unique Me"

7 sinais de que você deve terminar uma amizade

Superfunky, 08.01.19
Se uma relação de amizade não é equilibrada, e notamos que damos mais que o outro, será o momento de refletir se realmente vale a pena continuar.
 

 
Tomar a decisão de terminar uma amizade pode causar uma montanha-russa de emoções. No entanto, quando pensares de forma lógica, tu irás dar conta de que a separação é a opção mais saudável.
 
À medida que tu avanças pela vida, é natural que conheças pessoas novas e reforces os laços com outras pessoas.
 
Algumas vezes, é melhor teres cautela e seres cuidadoso com quem tu deixas entrar no teu círculo de amigos.
 
Lembre-te de que, depois, pode ser muito difícil terminar uma amizade, tu não deves sentir vergonha de te afastares das pessoas que não te fazem bem. No final das contas, as pessoas mudam e tu podes encontrar um caminho muito diferente do das tuas amizades.
 
Isto pode ser uma experiência dolorosa, mas se tu notas que, em relação à amizade, existem os seguintes sinais, é melhor terminares o relacionamento o quanto antes.
 
1. Terminar uma amizade quando a relação vai apenas num sentido
 
Quando uma amizade está em desequilíbrio e tu notas que não há uma forma de retornar, o mais provável é que teu amigo já não o valorize como tu a valorizas.
 
Estares todo o tempo perseguindo um amigo é algo cansativo e pode prejudicar a tua auto-estima.
 
Tu já paraste de contactar o teu amigo e, no entanto, ele não fez nada de diferente para mudar esta situação? Talvez seja melhor parares de gastar a tua energia e de perderes o teu tempo com uma pessoa que perdeu o interesse em ti.
 
2. O teu amigo manipula-te, com frequência, controlando como deve ser a tua conduta
 
 
Tu deves terminar uma relação de amizade quando tu sentes que perdeste de vista quem tu és realmente e não estás a ser autêntico na tua companhia. Pode ser que o teu amigo te esteja a manipular.
 
Numa amizade saudável, a profundidade de carácter de ambas as pessoas é compartilhada, sem ter uma relação de subordinação entre elas. Se não é o caso, avalia novamente a relação e pensa se vale a pena seguir com ela.
 
3. Está a levar-te com ele
 
Quando tu começas a sentir-te culpado pelo comportamento de um amigo porque a sua forma de agir é questionável, é preciso analisar como isto está a afectar a tua vida.
 
É normal que as pessoas te vejam da mesma forma que vêm as pessoas com as quais tu compartilhas o teu tempo.
 
Isto significa que, se o teu amigo tiver uma imagem negativa, os demais considerarão que tu serás igual a ele. 
 
Tem em conta que a natureza dos seres humanos é a de imitar as pessoas que os rodeiam de maneira instintiva, para pertencer e sobreviver. Por isso, terminar uma amizade que afecta negativamente o teu comportamento é a melhor opção.
 
4. Existe ciúme, inveja e competição entre vocês
 
 
Sentir que existe a necessidade de ter que provar constantemente que tu és melhor amigo do que o teu amigo pode ser exaustivo.
 
Uma amizade que não se baseia no apoio mútuo e na felicidade pelo crescimento pessoal do outro terá um impacto negativo para ambas as partes.
 
A amizade consiste em encontrar uma forma em que ambas as pessoas consigam crescer e ser melhores juntas, e não de que alguém tenha o papel de protagonista, enquanto o outro é um actor secundário.
 
5. O melhor da história da vossa história é o passado
 
Considera terminar um relacionamento de amizade se tu estiveres agarrado a ele apenas pelas melhores épocas que já passaram.
 
Tu deves viver o presente. Este é um tempo em que talvez tu vivas de forma diferente da tua infância.
 
A última coisa que tu deves fazer é estares agarrado a relações que no passado foram boas, mas que actualmente não são mais do que uma história passada.
 
6. O teu amigo não acrescenta nada de positivo à tua vida
 
É importante que tu sejas capaz de te levantar quando estiveres para baixo, mas deves terminar uma relação de amizade se tudo o que consegue com ela é ires ao fundo ainda mais.
 
É aqui que tu deves respeitar e deixar a pessoa ir. Os amigos devem ser uma extensão natural da tua vida, assim como tu deves ser na vida deles.
 
Se animando uns aos outros ou estimulando para conseguir bem-estar: o importante é que ambos acrescentem algo positivo na vida do outro.
 
7. Está afastando você de sua auto-estima
 
Os amigos de verdade proporcionam-te um sistema de apoio crucial, principalmente quando falamos de superar as tensões que a vida moderna nos gera.
 
Sempre que tens um problema, dificuldades ou dúvidas, os teus amigos devem oferecer apoio moral e elevar a tua auto-estima.
 
Terminar uma relação de amizade nunca é fácil, mas se tudo o que tu obtens da dita relação é reduzir a confiança que tu tens em ti e fazer com que duvides das tuas capacidades, é o momento de procurares outro caminho.

12 Conselhos Para Criares Uma Equipa Espectacular

Superfunky, 24.10.18

team-3373638_1920.jpg

 

John Hall, CEO da Digital Talent Agents e colunista da Forbes, indicou recentemente doze aspetos a que todos os líderes devem dar atenção para criarem de uma equipa de trabalho fenomenal, estejam estes a começar a contratar ou à procura dos melhores entre os melhores.
 
Este refere-os como auxiliares para manter os colaboradores felizes e bem-sucedidos e, consequentemente, também o seu líder.


1. Não te contentes com a mediocridade
Hall refere que caso não o façamos estaremos a conduzir a nossa equipa para um fraco desempenho. Segundo este, assim que tivermos a consciência de que um dado elemento da equipa está a ter um desempenho medíocre deveremos chamá-lo e, acima de tudo, ajudá-lo a melhorar. Caso não o consiga fazer, então “está na altura de encontrar uma nova estrela para a sua equipa.”

2. Sê um líder pensador
Hall relembra-nos que os melhores talentos não pretendem trabalhar em empresas medianas ou com pouco posicionamento. Nas suas palavras, “quanto mais se conseguir posicionar como uma autoridade no seu segmento de negócio, mais talentos naturalmente atrairá para a sua empresa.” Este partilha connosco o que faz neste sentido. O seu segredo é escrever pelo menos dois artigos por mês, onde partilha a sua experiência com os outros, sabendo que estes surgirão nas pesquisas de potenciais colaboradores quando procurarem saber mais sobre a empresa.

3. A confiança é fundamental
John Hall reforça a máxima de que podemos ter um colaborador extremamente inteligente e trabalhador mas se não confiarmos nele, não devemos tê-lo na nossa empresa. Como alerta, “as suas operações diárias poderão sofrer grandes perdas caso retenha colaboradores em quem não confia.”

4. Esqueçe o dinheiro… no início
Hall aconselha-nos a contratar “uma pessoa cuja principal motivação seja criar uma equipa ou alguém que seja apaixonado pelo negócio em geral”. Este considera a questão do dinheiro uma distração quando ocupa a principal preocupação do colaborador. Como diz, “É importante que os seus colaboradores se preocupem com o sucesso do seu negócio” e não apenas com o dinheiro que ganham.

5. As vidas pessoais são importantes
Por vezes, no meio de tantos prazos e solicitações podemos esquecer-nos de que os nossos colaboradores têm uma vida pessoal. Hall aconselha-nos a que tal não aconteça e que “caso veja pequenas oportunidades de ajudar um membro da equipa fora do trabalho, deve fazê-lo. Isso ajudará a criar lealdade entre si e os colaboradores e estes tenderão a ter a mesma atitude para com outros membros da equipa”.

 

shutterstock_407609140.jpg

6. Implementa a sistematização de processos

Hall recomenda que “assim que atinja o sucesso numa dada área, crie um processo que o replique sucessivamente”. Neste sentido apresenta como exemplo o caso de um hospital onde a existência de uma lista de procedimentos criada para sistematizar o processo de higiene no edifício, deu origem a uma diminuição em 66% das infeções. Como nos diz, “as listas de procedimentos potenciam a eficácia e o sucesso de uma equipa.” Recomenda a leitura do livro The Checklist Manifesto: How to Get Things Right de Atul Gawande.

7. A diversidade potencia a inovação
Deveremos procurar ter equipas multiculturais? Hall diz-nos que “a diversidade de culturas, idades e géneros podem ajudar uma equipa a pensar outside the box e analisar os problemas a partir de diferentes perspetivas”. Como relembra, para além disto ainda tornam o ambiente de trabalho mais interessante.

8. Podem ser amigos
Hall refere-se ao criar de relações de amizade entre o líder e os membros da sua equipa. Como diz, “serem amigos e conviverem não só potencia o desempenho como dá origem a um excelente ambiente de trabalho”, relembrando, no entanto, que “desde que se mantenha focado no objetivo e as pessoas sejam responsáveis”

9. Joga com os pontos fortes das pessoas
A recomendação é a de que procuremos descobrir aquilo em que os nossos colaboradores são realmente bons mas sem nunca esquecer os seus pontos fracos. Como diz, “cada membro da equipa deverá estar a fazer aquilo em que é melhor, mas o líder deverá saber em que é que cada um é mais fraco, de modo a ajudá-los a melhorar”.

10. Grandes equipas partilham leituras
Hall acredita que todo o líder é um leitor, pelo que, se estamos focados em desenvolver outros líderes nas nossas equipas, estes deverão também ser leitores regulares. E dá o exemplo da sua equipa, onde diz que “estamos sempre a partilhar artigos e livros entre nós. Isto mantém-nos atualizados e ajuda-nos a estimular o pensamento estratégico.”

11. Inviste nas suas cinco principais contratações
A ideia subjacente é a de se investirmos e ensinarmos as nossas cinco mais importantes contratações, estas irão depois investir o tempo que lhes dedicámos a ensinar os que venham depois e assim ganharmos tempo. Hall recomenda que “dediquemos tempo a apoiar cada um dos membros de modo a que todos estejam preparados a dar esse mesmo apoio aos novos colaboradores que integrem a empresa à medida que esta vai crescendo”. 

12. Dá reconhecimento
O louvor e reconhecimento é comprovadamente um potenciador da motivação e da produtividade. Hall recomenda que “demos um louvor sempre que alguém faz algo muito bem. Não só estaremos a dar um sentido de missão cumprida como a motivar os outros a também se superarem nas tuas tarefas”. Dá o exemplo da iniciativa que promovem na sua empresa, o "Championship Belt”, que atribuem semanalmente a um membro da equipa em reconhecimento de algo incrível que fez. Até os pequenos esforços podem fazer com que o seu colaborador se sinta apreciado e o inspirem a fazer ainda melhor”.

Fonte: Forbes

A verdadeira amizade!

Superfunky, 07.08.16
 
Já paraste para pensar sobre o que é a verdadeira amizade? A palavra amigo é usada de maneira muito ampla pela maioria de nós. Apresentamos como amigos os colegas de escola ou da universidade, os colegas de trabalho, os amigos que connosco praticam desporto, com quem saímos à noite, ou aqueles com quem nos relacionamos em várias actividades. 
 
E é bom que assim seja, pois ao chamarmos de amigos, de alguma forma os aceitamos, e passamos a tentar conviver com eles. Mas será que esses são os nossos verdadeiros amigos? Será que nós somos os verdadeiros amigos dessas pessoas? Os nossos verdadeiros amigos têm uma real conexão connosco. São aqueles que realmente gostam de nós e de quem nós gostamos verdadeiramente. 
 
O verdadeiro amigo aceita-nos como somos, mas não deixa de dar -nos os conselhos para que mudemos, sempre para melhor. E nós aceitamos esses conselhos porque sabemos que vêm de quem se importa por nós. O verdadeiro amigo alegra-se com as nossas alegrias, com os nossos sucessos, e torce pela realização dos nossos sonhos .O verdadeiro amigo preocupa-se quando estamos tristes e, frente a situações difíceis, está sempre disposto a ajudar. 
 
O verdadeiro amigo não precisa de estar sempre presente nas nossas vidas todos os dias, mas sabemos que está ao nosso alcance quando sentirmos saudades, quando quisermos saber se ele está bem, ou quando precisarmos dele. Distâncias não encerram amizades sólidas, numa uma época onde a comunicação é tão fácil. Mas, mesmo sem um contacto constante, o sentimento não se abala. É do livro O pequeno príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, a famosa frase: Tu tornas-te eternamente responsável por aquilo que cativas. Se cativamos um amigo, então somos responsáveis por essa amizade. Devemos saber retribuir as atenções e o carinho recebidos, com a mesma dedicação. Afinal, a real amizade é como uma estrada de duas mãos: nos dois sentidos os sentimentos são semelhantes. Com o verdadeiro amigo temos a oportunidade de praticar o real amor para com o próximo, ainda tão difícil de praticar com todos, como Jesus recomendou. 
 
Temos a oportunidade de praticar o perdão, pois nosso caro amigo tem o direito de errar como qualquer ser humano o tem. E, se errar contigo, perdoa-o, pois amanhã talvez sejas tu a pedir perdão. Jesus e Seus apóstolos formaram um grupo de dedicados amigos. Muitos deles, sem se conhecerem previamente, desenvolveram, naqueles curtos três anos da pregação do Mestre, uma amizade em que duraria até o fim de suas vidas. Quando, após a morte de Jesus, se viram aparentemente sozinhos, ajudaram-se mutuamente, deram força uns aos outros para a dura missão que teriam pela frente. Amigos são verdadeiros presentes que Deus nos dá. Muitas vezes são antigos companheiros de jornada que reencontramos, para que continuemos juntos, a apoiar-nos nesta nova caminhada. Não procuramos quantidade, mas, sim, a qualidade, certos de que a verdadeira amizade deve ser cultivada e cuidada como algo de real valor na nossa vida, algo que não nos pode ser tirado, e que levaremos para a nossa eternidade.

Muitas pessoas passam pela nossa vida, mas são poucas as que permanecem!

Superfunky, 22.06.16

Uma vez li algures: Muitas pessoas passam pela nossa vida, mas são poucas as que permanecem! (Guito Kryptonite) 

 

 

Nunca uma frase se aplicou tão bem a vida de alguém. Ninguém sabe o quanto eu adoro os meus amigos contudo, tenho a noção que sou um bocadinho "desligado". Não é por mal, de forma alguma, apenas não sou daquelas pessoas que pedem constantemente a atenção dos amigos. Confesso, que por vezes se não forem eles a mandarem uma mensagem ou fazerem um telefonema, eu simplesmente não digo nada também. Porque? Quem sabe... Sou mesmo assim... Não sou adepto do "Olá. Tudo Bem?" "Olá. Sim e contigo?" "Também." ...Procuro alguém quando preciso dessa pessoa, quando tenho algo importante para lhe dizer, ou quando sei que ela necessita de mim... não sou, de todo, pessoa para fazer de corpo presente! De certo que já perdi muitos amigos por ser assim, contudo, também já conservei alguns. E afinal de contas, os que são importantes ficam! Eu sei que eles estão lá para quando eu precisar deles e eles sabem que eu estou sempre aqui quando forem eles a precisar de mim.